CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Reconhecido pelo Decreto Federal n° 78.604, de 21 de Outubro de 1976, publicado na DOU de 22 de Outubro de 1976, página 14.042, seção I, parte I. Renovado o Reconhecimento pela Portaria 124 de 09 de julho de 2012 publicada no Diário Oficial da União nº 132, seção 1 de 10 de julho de 2012 e Portaria nº 931, de 24 de agosto de 2017, publicada no DOU no dia 25 de agosto de 2017, com 112 vagas anuais, em funcionamento no turno da noite.

Ciências Contábeis

Coordenador: Me. Contador Anderson Pinceta CRC RS – 089528-8

e-mail: contabeis@fema.com.br

Telefones: 55 99182-7727  e  3511-9100

Característica do Curso:

Titulação: Bacharel em Ciências Contábeis
Vagas: 112 vagas anuais, sendo 56 vagas para o 1º semestre e 56 vagas para o 2º semestre.
Duração: 4 anos (8 semestres)
Carga Horária: 3.000 (três mil) horas

 

Histórico:

O Curso de Ciências Contábeis das Faculdades Integradas Machado de Assis está fundamentado na história da região em suas exigências. Desde a sua concepção, o Curso de Ciências Contábeis foi agente de transformação na comunidade local e regional. O curso tem contribuído com a formação de profissionais habilitados ao exercício consciente de sua profissão contábil e áreas afins.

Durante a sua trajetória, para atender as exigências do mercado, o curso de Ciências Contábeis estruturou e flexibilizou seu projeto pedagógico de curso para acompanhar as significativas mudanças do ambiente em que esta inserido, formando egressos com um perfil adequado para atuar de forma ética, responsável, competente e inovadora.

A ação pedagógica precisa estar orientada para o atendimento das demandas sociais, aproximando o Curso das empresas regionais para uma formação acadêmica, com conhecimentos teórico-práticos, compatível com a realidade. De acordo com o Sindicato dos Contabilistas da Grande Santa Rosa, atualmente a região conta com 140 escritórios contábeis. Segundo A Secretaria da Fazenda do Estado do RS, a região de Santa Rosa possui mais de 6.284 estabelecimentos comercias registrado junto ao Estado do Rio Grande do Sul.

Dessa forma, fica evidenciada a viabilidade e importância da IES para o desenvolvimento regional. E, justifica-se a existência do curso para formar profissionais capazes de atuar gerencialmente nas organizações, bem como tornar-se especialista em uma das áreas de atuação desta profissão.

As empresas necessitam de profissionais que saibam compreender as questões científicas, técnicas, sociais, econômicas e financeiras, em âmbito nacional e internacional e nos diferentes modelos de organização, que apresentem pleno domínio das responsabilidades funcionais envolvendo apurações, auditorias, perícias, arbitragens, noções de atividades atuariais e de quantificações de informações financeiras, patrimoniais e governamentais, com a plena utilização de inovações tecnológicas e, que revelem capacidade crítico-analítica de avaliação, quanto às implicações organizacionais com o advento da tecnologia da informação.

Objetivo Geral do Curso

Considerando o perfil proposto e a missão da FEMA, defini se como objetivo geral do Curso: Formar profissionais com conhecimentos, habilidades e atitudes necessários para atuar nas atividades inerentes à profissão contábil e áreas afins, em um mercado em constante transformação, de forma ética e responsável, contribuindo para o crescimento e o desenvolvimento das organizações e da sociedade como um todo.

Objetivos Específicos

O acadêmico formado pela FEMA deverá:

  • Atuar nas suas atividades profissionais de acordo com os princípios éticos, morais e legais, promovendo o bom relacionamento interpessoal;
  • Ter uma formação profissional com competências e habilidades necessárias, que viabilizem o desenvolvimento de suas atividades e o seu desempenho profissional, devendo atuar com responsabilidade perante a sociedade;
  • Ter capacidade de assimilação e estar preparado para atuar conforme as diferentes culturas organizacionais;
  • Ter capacidade de interpretar as tendências de mercado, assim como desenvolver capacidade crítica em relação às questões éticas, humanas e sociais, para sua melhor atuação;
  • Ter capacidade de atuação gerencial nas organizações, bem como tornar-se especialista em uma das áreas de atuação desta profissão.

Acesso ao Curso

O acesso ao curso de graduação da Faculdade se dá por meio de processo seletivo semestral e, na remanescência de vagas, por um processo seletivo continuado. O ingresso dos acadêmicos é feito através do processo de seleção publicado em Edital envolvendo as modalidades do Processo de Seleção e Processo de Seleção Continuado; aproveitamento do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) e Transferência.

O processo seletivo do curso tem por objetivo selecionar os candidatos para o limite de vagas disponíveis. As inscrições para o processo seletivo são abertas através de Edital, no qual constam os cursos oferecidos pela Instituição e respectivo número de vagas; os prazos de inscrições; a documentação exigida para a inscrição; os critérios de classificação e desempate, e demais informações úteis, de acordo com a legislação.

A periodicidade do processo seletivo é semestral e as vagas oferecidas para cada curso são as autorizadas pelo Conselho Nacional de Educação. O conteúdo abrangido pelo processo seletivo é compatível com o do ensino médio, sem ultrapassar este nível de complexidade, articulando-se com os órgãos normativos dos sistemas de ensino.

A classificação obtida dentro do número de vagas disponíveis é válida para a matrícula no período letivo para o qual se realiza o processo seletivo, tornando nulo os seus efeitos, se o candidato classificado deixar de requerê-la ou, em fazendo-o, não apresentar a documentação exigida, dentro dos prazos fixados.

Cabe ainda ressaltar, que a IES está cadastrada no Programa Universidade para Todos (PROUNI) e que acadêmicos diplomados em outros cursos podem ingressar sem processo seletivo desde que haja vagas.

Perfil do Egresso

Como perfil dos egressos da FEMA está a qualificação profissional em suas áreas de atuação, voltados a excelência de suas competências e habilidades aliado a construção de um perfil humanista, capaz de promover a melhoria da sociedade em que está inserido.

Por meio dos cursos ofertados pela FEMA, o acadêmico(a) egresso deverá ter desenvolvido as seguintes habilidades e competências básicas:

  • Ter visão atualizada de mundo para nele poder atuar;
  • Demonstrar formação crítica e atitude ética;
  • Utilizar capacidade reflexiva;
  • Vivenciar princípios democráticos;
  • Atender a diversidade presente na sociedade, valorizando as características regionais e as especificidades do seu campo de atuação profissional;
  • Perceber a realidade e compreendê-la, intervindo nos problemas que ocorrem nos contextos da sua área de conhecimento;
  • Utilizar a pesquisa como ferramenta aliada na busca da resolução dos problemas.
  • Desenvolver capacidade para elaborar, implementar e consolidar projetos em organizações;
  • Desenvolver raciocínio lógico, crítico e analítico, expressando-se de modo criativo diante dos diferentes contextos organizacionais e sociais;
  • Reconhecer e definir problemas, equacionar soluções, pensar estrategicamente

O perfil do contador que se almeja formar deve estar em sintonia com as necessidades e as transformações do mercado e da sociedade, não apenas reagindo as tendências e as mudanças que ocorrem no cenário mundial.

Considerando a contabilidade como ciência social, que possui objeto de estudo (o patrimônio), metodologia própria (sistema de partidas dobradas), normas próprias (Princípios Fundamentais de Contabilidade, Normas Brasileiras de Contabilidade Técnicas – NBC T e Normas Brasileiras de Contabilidade Profissionais – NBC P), além de outras especificidades que reforçam sua condição de ciência, justifica-se pelo fato de que as constantes transformações sociais impactam quantitativa e qualitativamente na determinação da riqueza das organizações e no patrimônio, demandando adequações constantes na forma de evidenciar e valorar seu objeto a cada nova realidade que se apresenta.

Com o avanço dos mercados e a intensificação competitiva, a contabilidade se torna cada vez mais importante, uma vez que fornece informações econômicas, financeiras e gerencias úteis no processo decisório das instituições.

Assim, um curso de graduação em Ciências Contábeis oportuniza ao egresso, conhecimentos científicos que permitem atribuir utilidade à informação contábil de modo a contribuir com a gestão dos negócios, como consequência, com o desenvolvimento regional/nacional/global.

O raciocínio dos autores revela uma mudança no perfil do profissional contábil tradicional, focado na escrituração e aspectos fiscais para um perfil gerencial, que deriva das expectativas dos usuários frente ao ambiente atual, formatado por fatores como a globalização, as novas tecnologias, a competitividade, etc.

Observa-se assim, que o perfil gerencial consiste em formar profissionais competentes, ou seja, com conhecimentos, habilidades e atitudes necessárias para que possam exercer suas atividades, podendo atuar no planejamento, no controle e na melhoria dos processos e como suporte para a tomada de decisão.

Diante desta contextualização e de acordo com a demanda regional, surge a necessidade do perfil gerencial para os egressos do curso de Ciências Contábeis da Fundação Educacional Machado de Assis – FEMA.

Para atender o objetivo de formar um contador gerencial foram realizadas alterações na matriz curricular do curso de Bacharelado em Ciências Contábeis, considerando as Diretrizes Curriculares Nacionais previstas na Resolução do Conselho Nacional de Educação e da Câmara de Educação Superior – CNE/CES Nº 10, de 16 de dezembro de 2004.

Horário

Horário 2/2020

Cronograma Atividades 2 2020

Atividade Integradora

Atividades Complementares

TCC

O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) é um componente que integra a estrutura curricular do Curso de Ciências Contábeis e constitui-se em um momento de potencialização e de sistematização de habilidades e de competências adquiridas ao longo da graduação, na forma de pesquisa acadêmico-científica. Trata-se de uma experiência fundamental na formação do Bacharel de Ciências Contábeis, uma vez que lhe proporciona a oportunidade de resolver, de forma rigorosa e criativa, problemas teóricos e empíricos da contabilidade, cujo desenvolvimento se efetuará no decorrer do sétimo e do oitavo semestres, equivalendo a 300 horas-aula, em que as atividades serão supervisionadas por um professor orientador. O TCC compreende, em sua primeira etapa, a elaboração de um projeto de trabalho. Como critérios básicos para essa fase, o projeto terá que atender a quatro requisitos: a escolha do tema, sua definição, sua delimitação e sua problematização. Junto a este processo, somar-se-ão os métodos e as técnicas a serem utilizados, bem como o estabelecimento de etapas de trabalho expressos na forma de um cronograma. A segunda etapa – execução – corresponde à realização do projeto propriamente dito. É imprescindível que o aluno, no decorrer desta, aplique os saberes científicos de sua área de conhecimento, bem como efetue as atividades dentro de parâmetros mínimos de cientificidade. Para o cumprimento, o aluno deve valer-se de métodos e de técnicas universalmente aceitos pela comunidade científica que incluem pertinência, consistência, mensuração de dados primários e/ou secundários, de acordo com padrões de representatividade e de generalização compatíveis com seu tema, seu problema/hipótese de trabalho e sua área de conhecimento ou de exercício profissional. A terceira etapa – defesa, diante de uma banca examinadora, composta pelo professor orientador e mais dois professores convidados -, significa a possibilidade de testar sua competência discursiva, de exercitar sua capacidade argumentativa e de defender seu ponto de vista. Concomitantemente, permitir-lhe-á esclarecer elementos do trabalho que possam ter ficado obscuros ou frágeis, do ponto de vista da consistência ou da pertinência científica, oportunizando uma revisão, sob orientação de professor responsável.

Estágio Supervisionado

As avaliações da aprendizagem e do desempenho escolar são feitas por disciplina ou por módulos, dependendo do projeto pedagógico de cada curso, incidindo sobre a frequência e o aproveitamento das atividades e dos conteúdos ministrados em cada um deles. A frequência às aulas e a participação nas demais atividades escolares são direitos dos alunos aos serviços educacionais prestados pela Instituição e são permitidas apenas aos alunos regularmente matriculados, nos termos do contrato de prestação de serviços educacionais assinado entre as partes. Independente dos demais resultados obtidos, é considerado reprovado na disciplina, o aluno que não tenha obtido frequência mínima de 75% (setenta e cinco por cento) nas aulas e nas demais atividades programadas, após as avaliações regulares ou os processos de recuperação. É dado tratamento excepcional para alunos amparados por legislação específica, sendo-lhes atribuídos, nesses casos, como compensação das ausências às aulas, exercícios domiciliares supervisionados, com acompanhamento docente, segundo normas estabelecidas pelo Conselho de Administração Superior – CAS. O aproveitamento escolar é avaliado por meio de acompanhamento contínuo do aluno e dos resultados por ele obtidos, sejam nas provas escritas, nos trabalhos de avaliação de conhecimento, nos exercícios de classe ou domiciliares, nas outras atividades escolares ou nas provas parciais. Compete ao professor da disciplina ou ao Coordenador do Curso, quando for o caso, elaborar os exercícios escolares, sob forma de provas de avaliação e demais trabalhos, bem como julgar e registrar os resultados. Os exercícios escolares e as outras formas de verificação do aprendizado, previstos no plano de ensino da disciplina, sendo aprovadas pelo órgão competente, sob forma de avaliação, visam à aferição do aproveitamento escolar do aluno. A verificação e o registro da frequência em diário de classe são da responsabilidade do professor e, seu controle, para todos os efeitos legais, caberá à Secretaria Acadêmica das Faculdades, nos termos do presente Regimento Unificado. Compete ao professor da disciplina elaborar e julgar, de forma pedagogicamente adequada, as atividades avaliativas definidas no projeto pedagógico do respectivo curso, assim como, de acordo com o determinado no presente Regimento Unificado. Haverá, durante cada semestre letivo, 02 (duas) avaliações oficiais, para verificação do aprendizado nas disciplinas, sendo aplicadas ao longo do período letivo, nos termos das normas aprovadas pelo Conselho de Administração Superior – CAS, e previstas no Calendário Acadêmico das Faculdades. A cada verificação de aproveitamento, é atribuída uma nota expressa em grau numérico de ZERO a DEZ, com variação decimal. Atendida à exigência do mínimo de 75% (setenta e cinco por cento) de frequência às aulas e a demais atividades programadas, o aluno é considerado aprovado na disciplina, no período letivo, quando obtiver média final igual ou superior a 7,0 (sete inteiros). Entretanto, será atribuída nota 0 (zero) ao aluno que deixar de submeter-se à verificação na data fixada, bem como ao que, na avaliação, utilizar-se de meio fraudulento. As disciplinas práticas, de projetos ou de caráter experimental e laboratorial ou de outra periodicidade, em função da não aplicabilidade de provas escritas ou tradicionais, terão sua forma de avaliação definida em norma específica aprovada pelo Conselho de Administração Superior – CAS. Será permitida a realização de avaliações substitutivas, nos termos das normas aprovadas pelo Conselho de Administração Superior – CAS, e a obtenção da média final, por meio da média aritmética simples das médias das avaliações parciais oficiais realizadas nas várias etapas do período letivo, nas respectivas disciplinas. As médias parciais oficiais poderão levar em conta trabalhos escritos, orais, seminários de avaliação e outros instrumentos de medida do aprendizado, propostos pelos professores ao longo dos períodos letivos parciais. Os pesos utilizados na ponderação para os cálculos das médias semestrais, bem como os critérios para as outras formas de avaliação realizadas ao longo do período letivo, serão fixados em norma específica aprovada pelo Conselho de Administração Superior – CAS.

Núcleo de Práticas Administrativas e Contábeis

O Núcleo de Práticas Administrativas e Contábeis tem o objetivo de oportunizar ao acadêmico um ambiente para que possa praticar as teorias estudadas na academia, por meio da interação com as empresas, entidades, produtores e a comunidade, com intuito de atender as demandas referente a gestão, projetos de viabilidade, marketing, custos, layout, departamento de pessoal e a contabilidade. Dentre as atividades disponibilizadas, destaca-se o Escritório de Práticas Contábeis Administrativas (EPCA), em funcionamento desde outubro de 2014. A equipe de trabalho é formada por dois professores (Augusto Rieger Lucchese e João Antônio Cervi), Mestres e especialistas nas áreas de atendimentos, auxiliados por acadêmicos dos cursos de Ciências Contábeis e Administração.

Serviços oferecidos:

  • Consultoria sobre ferramentas de controle e de gestão, sobre estudo de layout, gestão de pessoas e de custos;
  • Consultoria para realizar plano de marketing e para elaborar projetos de viabilidade;
  • Serviço de folha de pagamento, emissão de guias dos encargos sociais;
  • Atendimento gratuito à população esclarecendo dúvidas e prestando orientações sobre assuntos da área contábil e fiscal;
  • Declarações de imposto de renda – DIRPF;
  • Informações sobre dados cadastrais de pessoas físicas – CPF;
  • Informações sobre dados cadastrais do CNPJ;
  • Emissão de Certidões PF e PJ;
  • Levantamento da Situação Fiscal da Pessoa Física;
  • Agendamento On-line para PF e PJ junto a RFB;
  • Informações sobre isenções Tributárias – Pessoa Física e Jurídica;
  • Elaboração de encaminhamento de informações junto aos entes públicos;
  • Informações gerais ITR;
  • Atendimento à demanda de cálculos periciais judiciais e extrajudiciais do NPJ;
  • Formalização do Microempreendedor Individual (MEI) e assistência fiscal e contábil em seu primeiro ano de existência;
  • Consulta e orientação frente às demonstrações contábeis e declarações fiscais obrigatórias às pessoas jurídicas do terceiro setor;
  • Atendimento Contábil e Fiscal a entidades sem fins lucrativos.

Público-alvo:

  • Pessoa física;
  • Produtor rural;
  • Empreendedor individual;
  • Entidades filantrópicas;
  • Parcerias com instituições financeiras.

Horário de Atendimento: Segunda a sexta-feira 13h 30 min às 17h. Local: Rua Santos Dumont, nº 860, Centro, Santa Rosa, RS, ao lado da Unidade I. Prof. Anderson Pinceta – Coordenador do Núcleo de Práticas Contábeis.